Raven’s Cry e The Order: 1886 estão entre os piores jogos de 2015

O RPG de piratas Raven’s Cry é um bom ponto de partida para a lista dos desastres de 2015. A seguir, conheça títulos que falharam ao longo do ano. Alguns foram más experiências por sofrerem com lançamentos acidentados, como Batman: Arkham Knight nos PCs; e outros deixaram a desejar com a falta de conteúdo, como The Order: 1886. Veja os piores jogos de 2015:

Raven’s Cry – PC

O game foi lançado em janeiro para Windows, OS X e Linux e o seu grande destaque é o fato de copiarAssassin’s Creed 4: Black Flag. Interface gráfica, modo de combate entre navios e lutas são alguns dos itens de Raven’s Cry comparáveis com os mesmos aspectos do jogo original, da Ubisoft.

Ideia de RPG de piratas parecia ótima, até a execução desastrosa (Foto: Divulgação/Reality Pump)

Raven’s Cry foi criticado por constantes travamentos e vários problemas com o gameplay que tornaram o jogo ainda mais difícil. Outro ponto negativo é o elenco de má qualidade dublando os personagens.

Tony Hawk’s Pro Skater 5 – PS4 e Xbox One

O novo jogo de skate acabou fracassando entre os usuários: gráficos ruins e mecânicas de gameplay que não funcionavam acabaram com a reputação de Tony Hawk’s Pro Skater 5.

Tony Hawk’s Pro Skater 5 é um dos pontos baixos da série de games de skate (Foto: Divulgação/Activision)
Fãs mais árduos da série ainda criticam as missões básicas e os mapas em áreas muito pequenas, com pouca diferença entre si e desafios previsíveis. Outro aspecto que causou revolta é que, ao reiniciar um desafio para uma nova tentativa, o jogador precisa esperar até 10 segundos.

The Order: 1886 – PS4

O esperado exclusivo do PS4 não pode ser considerado um jogo ruim: os gráficos são espetaculares, o gameplay eficiente e funcional, a história é interessante e dá margens para uma continuação.

Gráficos espetaculares não escondem o fato de que The Order 1886 é curto demais a ponto de não justificar o preço de um game completo (Foto: Divulgação/Ready at Dawn)

O problema de The Order: 1886 é o fato de que a história é curta demais e o game não oferece nenhuma recompensa para o jogador continuar jogando. Alguns críticos associaram o exclusivo com um bom filme: você se diverte e aproveita, mas não vai pagar R$ 200 por isso.

Rugby World Cup 2015 – PS3. PS4, Xbox 360, Xbox One, PC, PS Vita

Quem é fã do esporte se decepcionou com o game. Com problemas de gameplay e de inteligência artificial, Rugby World Cup 2015 comete um erro grave: a implementação de algumas regras e lances do rugby não foi realizada corretamente. Fazendo com que o jogo falhe na sua principal missão: retratar as partidas da principal competição da modalidade.

 Rugby World Cup 2015 decepcionou os fãs do esporte (Foto: Divulgação/Sony)

Rugby World Cup 2015 foi desenvolvido em conjunto com Rugby 2015. O game original tinha problemas ainda maiores e mais graves. Alguns foram corrigidos para Rugby World Cup 2015, mas outros defeitos acabaram surgindo no segundo título, marcando um ano ruim para os usuários do jogo.

Batman Arkham Knight – PC

O quarto jogo da série Arkham tem duas faces: consoles e PC. Nos consoles o título não teve problemas de lançamento e pode ser considerado um dos melhores jogos de 2015; mas o problema da versão para computadores no lançamento era a falta de configurações para que os jogadores adaptassem melhor a performance de Batman Arkham Knight às suas máquinas.

Versão de PC do game do homem morcego tinha sérios problemas durante o lançamento (Foto: Divulgação/Rocksteady Studios)

A taxa de quadros por segundo oscilando, qualidade gráfica inferior à versão do PS4 e a percepção de que, mesmo com máquinas com as placas de vídeo mais poderosas do mercado, o jogador não conseguiria alcançar os visuais da versão para o console da Sony criaram revolta entre os consumidores. Com muitas críticas ao jogo, Warner Bros tirou a versão para PC do mercado, enquanto uma equipe de desenvolvedores trabalhava para corrigir os problemas. Boa parte deles foram resolvidos.

Alone In The Dark: Illumination – PC

A famosa série de games de horror e sobrevivência ganhou um novo capítulo que decepcionou os fãs. Illumination nega as tradições da série ao se transformar um jogo de tiro em terceira pessoa repleto de problemas.

Para muitos, Alone in the Dark: Illumination jogou fora toda a história da série (Foto: Divulgação/Atari)

A qualidade gráfica é ruim e muitos compararam esse fato aos maus momentos de PS3 e Xbox 360. Os usuários também reclamaram da história linear e sem inspiração, em que o mistério da trama não desperta a mesma curiosidade do que em títulos anteriores.

Godzilla: The Game – PS3 e PS4

A nova adaptação do lagarto radioativo para videogames foi, no mínimo, desastrosa: gráficos ruins e um gameplay genérico fizeram do lançamento um game para se esquecer.

Com jeitão de PS2, Godzilla: The Game é um jogo para se esquecer (Foto: Reprodução/PSU)

Em Godzilla: The Game, os jogadores controlam o lagarto superdesenvolvido em cenários que precisam combater os soldados humanos, enquanto provocam destruição. A premissa parece divertida e descompromissada, mas a execução revela um game problemático, em que o Godzilla se move de forma muito lenta e todos os prédios e construções parecem iguais.

Fonte:Techtudo

Comentários